Portal do Governo Brasileiro

Tratamento Fitosanitário

Tratamento Fitossanitário

Tratamento do Grão, ou mais comumente chamado “Tratamento Fitossanitário”, é o conjunto de operações de manuseio, que envolve aplicações de produtos químicos sobre os grãos, com a finalidade de eliminar pragas ou doenças, para fins de armazenagem e comercialização.

Alguns desses serviços são tarifados, conforme tabela oficial da CASEMG, gerando uma receita por custo despendido.

O tratamento de grãos na correia transportadora, mais comumente feito na destinação do produto ao armazenamento, é tarifado, observando-se um período técnico de ação do inseticida para nova cobrança, se o serviço for repetido em operação de transilagem e/ou expurgos.

As ações necessárias para proteger os grãos de infestações por insetos, tais como: repetir um expurgo por insucesso de um realizado recentemente e tarifado, pulverizações de instalações preventivamente e antecipadamente à recepção de grãos, pulverizações periódicas das superfícies das massas de produtos armazenados, ou atomizações de ambientes, não acarretam ônus para o depositante – todos os custos são a expensas da CASEMG.

Conheça um pouco dos procedimentos de tratamento fitossanitário, presentes em todas as Unidades de Armazenagem e Negócios da CASEMG.

 Expurgo

Processo exógeno de defesa de vegetais ou produtos de origem vegetal, que consiste em matar, em qualquer fase de sua vida, os parasitas animais que os estejam atacando.

No caso da CASEMG, a defesa fitossanitária de cereais e grãos alimentícios é feita mediante o extermínio, com defensivos (gás tóxico), em ambiente confinado, dos insetos nocivos e de outros parasitas animais que estejam atacando ou que se encontrem nos recintos em que esses produtos estão depositados. Sinônimos: desinfestação, desinsetização, fumigação.

No caso de expurgo em armazéns graneleiros, utilizam-se lençóis plásticos, preferencialmente com adesivos “velcro” nas extremidades, apropriados às dimensões do local, de tal maneira que cubram toda a massa de grão a tratar. Para a aplicação do fumigante (fosfina), quando for o caso do inseticida apresentado em pastilhas, são utilizadas sondas metálicas específicas para a distribuição.

Inseticidas recomendáveis

O inseticida mais recomendado para aplicação é a fosfina, apresentada em forma de pastilhas e tabletes que são misturados na massa de grãos, ou sachês semi-encobertos, extraídos após o tratamento.

Foto: Molécula de Fosfina

A fumigação também pode ser com uso de brometo de metila, entretanto, apresenta restrições no tratamento de sementes, pois inibe sua germinação, devendo ser totalmente evitado nesses casos. Além do mais, o produto tem algumas restrições de aplicação em arroz, café e farinhas armazenadas. Doses excessivas e sucessivas podem deixar resíduos de cromo nos produtos, inviabilizando-os para o consumo.

Aplicação e doses de inseticidas

A fumigação com fosfina é feita em células ou armazéns graneleiros de formas isolada ou complementares entre si:

  • naquelas estruturas que normalmente apresentam sistemas de aeração, com aparelhagem de ventilação que pode ser utilizada para circulação do gás fumigante, levando-o por meio de ar forçado até o interior da massa de grãos;
  • fumigante, levando-o por meio de ar forçado até o interior da massa de grãos;
  • no carregamento de células, através de aparelhos que possuem dispositivos para distribuição da fosfina sincronizada com a velocidade de descarregamento;

 Nebulização

A nebulização é uma prática que consiste na aplicação de um inseticida na forma de micropartículas que são lançadas numa corrente de fumaça produzida por um equipamento que queima óleo mineral.

Esta fumaça, de baixa densidade, carrega as micropartículas de inseticida para os pontos mais altos da unidade armazenadora, onde normalmente não são atingidos por pulverização.

Este tipo de tratamento visa controlar, especialmente, os insetos voadores como as mariposas que se alojam nos pontos mais altos da unidade armazenadora. A dose do inseticida na operação de nebulização é calculada em função do volume (m³) de espaço interno da estrutura que será ocupada pela fumaça.

Polvilhamento

Operação de tratamento que consiste na aplicação, diretamente sobre a mercadoria ou seu invólucro, de inseticida (defensivo) diluído em veículo seco, sob a forma de pó, mais comumente talco. ambém são usados: caolim, betoninta, terra füller, enxofre, entre outros. Esse veículo seco deve apresentar partícula de pH 8; umidade máxima de 0,5%; densidade aparente de 0,5 – 1,0; densidade absoluta de 2,6; tamanho mínimo das partículas de 90% em peneira de 325 malhas e higroscopicidade de 1%.

Nesta operação, são empregados, geralmente, polvilhadeiras – máquinas simples, consistindo-se basicamente de depósito de pó; mecanismo que regula a quantidade de inseticida a ser liberada pelo depósito tipo ventoinha que produz a corrente de ar e tubulação adequada para distribuição do defensivo. O acionamento da ventoinha é feito por um pequeno motor, sendo manual nos modelos mais simples com capacidade para 10 a 20 quilos de defensivos sob a forma de pó.

 Higienização Espacial

É uma aplicação realizada com termonebulizadores, do tipo Pulsfog, Profog e Multifog, visando ao controle de insetos adultos nos armazéns. Este tipo de tratamento não proporciona efeito residual, portanto recomenda-se reaplicar sempre que for constatada a presença de insetos adultos. Para prevenir e controlar a infestação, é preciso conhecer onde os insetos ocorrem ou se escondem. Muitos insetos são dotados de grande capacidade de vôo, que aumenta sua condição de infestar os grãos armazenados.

Indicação: em ambientes fechados, visando alcançar o controle de insetos posicionados em locais de difícil acesso, já que nesses tratamentos forma-se uma névoa com partículas minúsculas e leves que se desprendem na atmosfera.

Inseticidas recomendáveis: no ramo de armazenamento tem sido muito utilizado o inseticida Deltametrina, veiculado em óleo mineral.

Aplicação e doses de inseticidas: este tratamento em termonebulizadores consiste no aquecimento do óleo mineral e arrastamento das partículas por uma corrente de ar quente.

Defensivos Agrícolas

São produtos químicos utilizados para combater pragas e doenças que comprometem a produtividade da lavoura e provocam até mesmo a morte de plantas. Inseticidas, fungicidas e acaricidas são alguns dos produtos mais utilizados para proteger as plantações.

Na maior parte dos casos, os defensivos agrícolas empregados no controle de pragas são muito pouco específicos, destruindo indiferentemente espécies nocivas e úteis. Existem praguicidas extremamente tóxicos, mas instáveis. Eles podem causar danos imediatos, mas não causam poluição a longo prazo. Existem praguicidas menos tóxicos, ou seja, persistentes em ecossistemas, provocando efeitos prejudiciais ao meio ambiente por muitos anos. Os praguicidas podem ser transportados a longas distâncias, causando danos em regiões mais distantes.

Alguns dos defensivos agrícolas utilizados pela CASEMG:

Actellic

Gastoxin

K-Obiol

Sumigran